A descoberta de um titã

Um novo titã recém integrou a lista de dinossauros do Brasil: Brasilotitan nemophagus.
Descrito na revista Zootaxa, a nova espécie de dinossauro brasileiro foi definida com base em um peculiar fragmento de mandíbula (imagem abaixo), além de vértebras, um elemento ungueal e fragmentos do quadril. O animal pertence ao grupo dos saurópodes titanossaurídeos, dinos herbívoros de pescoço longo, abundantes na América do Sul e demais continentes do Gondwana durante o final do Cretáceo (~100-66 milhões de anos atrás).
Segundo os autores, o novo animal pode ser considerado proximamente relacionado à Bonitasaura e Antarctosaurus, dois gêneros de dinossauros saurópodes da Argentina. Brasilotitan foi encontrado na região de Presidente Prudente, interior de São Paulo, no contexto geológico da Bacia Bauru, e, além de acrescentar à diversidade de dinossauros do Brasil, vem enriquecer o conhecimento sobre a anatomia do aparato mastigatório dos saurópodes, esses grandes animais herbívoros.
Dentário (parte da mandíbula) em formato de L de Brasilotitan nemophagus
Dentário (parte da mandíbula) em formato de L de Brasilotitan nemophagus
Etimologia do nome: Brasilotitan = Titã brasileiro / nemophagus = comedor de plantas.
A equipe dos Colecionadores teve a oportunidade de conversar com os colegas William Nava (Museu de Paleontologia de Marília) e Elaine Machado (UFRJ, Museu Nacional, Rio de Janeiro), alguns dos autores do artigo de Brasilotitan
Acompanhe hoje e nos próximos dias as suas entrevistas.
Hoje William Nava nos revela alguns detalhes sobre a descoberta do novo titã brasileiro:
________________________________
Col.: Como e quando foi feita a descoberta, William?
William: O achado dos fósseis se deu por volta de janeiro do ano 2000, quando precisei ir a P. Prudente para resolver algumas questões pessoais. Na ocasião observei centenas de blocos e pedaços de rochas depositados às margens de um terreno próximo à rodovia SP-270, a Raposo Tavares, perto da cidade de P. Prudente. Estavam alargando a rodovia e muitas rochas foram então retiradas. Ninguém notou, mas no meio delas havia muitos e muitos fósseis, entre os quais esses do Brasilotitan. 
Voltei algumas vezes ao local durante o ano 2000 para resgatar esses e outros materiais, senão acabariam se perdendo. Aliás, muitos já estavam se deteriorando pela ação do tempo e não tive como recuperá-los. Podemos dizer que foi um verdadeiro resgate paleontológico!
Me lembro que um dos fósseis os quais mais me chamou a atenção foi uma grande vértebra caudal (que media cerca de 40 cm de altura!) num arenito fino, mas muito duro. A posição do bloco onde ela estava dificultava bastante sua remoção. Não consegui retirar e ela se perdeu!  Um dos materiais que consegui recuperar foi um pequeno bloco contendo em vista lateral esse fragmento de dentário (foto acima), que na época imaginava pertencer a um crocodilo...
Col.: Como se estabeleceu o convênio de estudo com os pesquisadores do Rio de Janeiro?
Costela encontrada junto aos materiais de Brasilotitan.
Foto de William R. Nava.
WilliamOs materiais fósseis permaneceram comigo até agosto de 2004, quando vieram a Marília alguns pesquisadores da Universidade Federal Rio de Janeiro e diversos alunos para realização de um trabalho de campo. Mostrei a eles os fósseis do agora Brasilotitan e lhes chamou atenção justamente o ramo mandibular. Eles me pediram emprestado o material para que fosse melhor preparado no Rio de Janeiro e foi o que fiz. Cedi também, por empréstimo, os outros fósseis que aparecem no artigo. Ficaram aqui em Marília apenas alguns fragmentos de costelas (foto), um fragmento de tíbia, uma falange e um possível tarsal, todos coletados juntos com o material levado. Os materiais ficaram um bom tempo aguardando preparação e depois seguiram para estudo.
Col.: Outros materiais foram encontrados no mesmo sítio de onde saiu Brasilotitan?
William: Além dos restos do Brasilotitan, no mesmo local haviam dentes de saurópode, terópodes (dinossauros carnívoros) e de crocodilomorfos,além de muitos coprólitos, pedaços de carapaças e plastrão de tartarugas e escamas de peixes. Não tive tempo suficiente para examinar cuidadosamente todas as rochas depositadas, porque "um belo dia", no fim do ano 2000, não mais as encontrei. Procurei saber o que tinha acontecido e me disseram que foram utilizadas para preencher focos de erosão no próprio leito da rodovia. Lamento por que tirei só uma foto, a da costela (acima). 
Col.: Quais são as perspectivas de estudos na região?
William: Quando vou a Prudente, vez ou outra passo por esse local. Hoje é um terreno vazio e cheio de mato. Nunca mais encontrei nada. A área de onde as rochas possivelmente saíram também está soterrada: é o atual pavimento e acostamento da rodovia. Seria possível encontrar algo nos barrancos dos 2 lados da estrada, mas não encontrei nada significativo até agora, talvez porque ainda não realizei nenhuma escavação no local, apenas faço algumas varreduras superficiais.
A região de Presidente Prudente é uma área rica em fósseis, sempre há novas perspectivas. Há muitos locais promissores nos arredores. Estou trabalhando em um afloramento no qual encontrei pequenos ossinhos de aves enantiornithes, é um local excepcional! Mas isso é outra história...
_________________________________________________________________________
319072_439128632790487_1161231198_nWilliam Roberto Nava é coordenador do Museu de Paleontologia de Marília e foi responsável não só pela descoberta de Brasilotitan, como de muitos outros animais pré-históricos brasileiros. Alguns até mesmo levam o nome dele como Adamantinasuchus navae, um crocodyliforme do Cretáceo do Brasil. William convida a todos para visitarem o Museu de Paleontologia em Marília e conhecerem mais sobre o passado brasileiro.
Acompanhe notícias sobre o Museu de Paleontologia de Marília no Facebook: https://www.facebook.com/museudepaleontologia.marilia?fref=ts
Referência:
MACHADO, E.B.; AVILLA, L.S.; NAVA, W.R.; CAMPOS, D.A.; KELLNER, A.W.A.. (2013). "A new titanosaur sauropod from the Late Cretaceous of Brazil". Zootaxa 3701 (3): 301–321. DOI:10.11646/zootaxa.3701.3.1.

Tito Aureliano

Author & Editor

Professora, Doutora e apaixonada por Paleontologia, me dedico, além das pesquisas, à divulgar ciência para o público geral.