Novo Croc gigante do Paleoceno Colombiano e pistas sobre a origem dos Dyrosauridae

A Formação Cerrejon, no nordeste Colombiano, estimada como do Paleoceno Médio-Tardio - baseado em estudos de isótopos de carbono e palinomorfos - apresenta o primeiro bom registro de ecossistemas continentais terrestres para essa brecha no tempo na América do Sul.

Ilustração acima: Danielle Byerley,
Florida Museum of Natural History
As descobertas mais recentes, feitas numa área de exploração de carvão, indicam não só a mais antiga evidência macrofóssil de florestas neotropicais, como também, a presença da maior serpente fóssil já descoberta, Titanoboa cerrejonensis. Além disso, há registros de cágados gigantes, peixes dipnóicos e elopomorfos e de um raro Crocodiliforme Dyrossaurídeo de focinho curto, conhecido como Cerrejonisuchus improcerus.

Num trabalho recém-publicado de Alexander Hastings, Jonathan Bloch e Carlos Jaramillo, um novo dyrossaurídeo de focinho longo, Acherontisuchus guajiraensis foi descrito para a região. O material fóssil havia sido coletado em 1994, mas ficou retido na mina de carvão até 2004, quando foi levado a Universidade da Flórida para estudos. O que chama atenção, é o tamanho do animal.

Há 60 milhões de anos atrás, Acherontisuchus guajiraensis, de 9 m de comprimento, coexistiu com a gigantesca Titanoboa cerrejonensis em um sistema de rios semelhante ao atual Amazonas, atravessando uma as primeiras florestas tropicais úmidas do mundo, até desembocar no que seria um dia o Mar do Caribe.

O focinho longo do Acherontisuchus deve ter sido utilizado para capturar peixes e os autores ainda sugerem que o animal deveria ter competido com Titanoboa por alimento.

As análises nos fósseis descritos no artigo mencionado ecaixam Acherontisuchus em um grupo de Crocodiliformes chamado de Dyrossaurídeos, animais que usualmente habitavam ambientes marinhos e fluviais costeiros. 

Vale à pena checar o artigo também porque os autores realizam uma nova análise cladística para os Dyrosauridae, utilizando 82 caracteres do crânio e mandíbula para encaixar Acherontisuchus guajiraensis em sua posição dentro do grupo. Eles incluem dyrossaurídeos do Novo Mundo e do Velho Mundo como Hyposaurus rogersii, Congosaurus bequaerti, Atlantosuchus coupatezi, Guarinisuchus munizi, Rhabdognathus keiniensis e Rhabdognathus aslerensis.

Os resultados são consistentes com relação a origem africana dos Dyrosauridae, com dispersões para o Novo Mundo durante o Cretáceo Tardio, passando por uma transição de habitats marinhos em taxa ancestrais, para ambientes fluviais em taxa mais derivados.

Bibliografia:
. HASTINGS, A.K., BLOCH, J. I., JARAMILLO,.C.A. 2011. A NEW LONGIROSTRINE DYROSAURID (CROCODYLOMORPHA, MESOEUCROCODYLIA) FROM THE PALEOCENE OF NORTH-EASTERN COLOMBIA: BIOGEOGRAPHIC AND BEHAVIOURAL IMPLICATIONS FOR NEW-WORLD DYROSAURIDAE. [Palaeontology, Vol. 54, Part 5, 2011, pp. 1095–1116]

Tito Aureliano

Author & Editor

Professora, Doutora e apaixonada por Paleontologia, me dedico, além das pesquisas, à divulgar ciência para o público geral.