Vertebrados fósseis da região de Marília, SP

Aline Ghilardi
Para inaugurar a sessão dos colaboradores, contamos com a ilustre participação do paleontólogo e coordenador do Museu de Paleontologia de Marília, William Nava:
______________________________________________________________________


O paleontólogo e coordenador do Museu de Paleontologia de Marília, William Nava, vem há 17 anos fazendo um minucioso trabalho de escavação e coleta de fósseis nas rochas da região de Marília, o que resultou em importantes achados para a Paleontologia brasileira.
As primeiras coletas de fósseis datam do início dos anos 90 e referem-se a fragmentos ósseos identificados como pertencentes à saurópodes do grupo dos Titanossauros.

Por William Nava:

 “Fiz a primeira descoberta de ossos de um dinossauro na região centro oeste do estado em 1993, na estrada vicinal P. Nóbrega-Rosália, e o achado ganhou repercussão nacional na época, sendo amplamente divulgado pelos meios de comunicação” lembra o paleontólogo.

William Nava durante o processo de remoção de um fragmento ósseo de saurópode nas cercanias da cidade de Marília durante década de 90

O incremento das pesquisas revelou inúmeros afloramentos datados do Cretáceo Superior por toda a região. A partir de 1996, com o achado dos primeiros fósseis de crocodilomorfos notossúquios (que 3 anos depois seriam descritos cientificamente como  Mariliasuchus amarali) em rochas próximas ao vale do Rio do Peixe,  foi possível  concluir que a região tinha  potencial para fósseis bem preservados. De acordo com Nava, a grande maioria desses fósseis vem sendo coletada em cortes de estradas rurais. “Inúmeros materiais principalmente de crocodilomorfos ,como  o pequeno crocodilo Adamantinasuchus navae   foram descobertos durante a  escavação de obras  no Córrego Arrependido, afluente do Rio do Peixe”, falou o pesquisador.

A vantagem de residir na cidade onde estão os sítios paleontológicos é que se pode ir à campo a qualquer dia, ou mesmo nos finais de semana.  Igualmente, se pode abrir novas frentes de escavação e acompanhar esse trabalho, catalogando, fotografando as ocorrências e os níveis estratigráficos onde ocorrem os fósseis.

William Nava explicando sobre os fósseis e a geologia da região. Foto de Bernardo Pimenta.

Com o passar dos anos, Nava foi acumulando em sua casa muitos restos ósseos de dinossauros e crocodilos que escavava pela região, além de alguns materiais obtidos por doação (como peixes do Nordeste e restos de madeiras petrificadas oriundos de outros estados) formando um considerável acervo, que mais cedo ou mais tarde, necessitaria de ser exposto à comunidade. Em pouco mais de uma década de escavações e coletas, os trabalhos do paleontólogo resultaram numa diversificada fauna de vertebrados fósseis, como dinossauros do grupo dos Titanossaurídeos, pequenos crocodilomorfos (Mariliasuchus e Adamantinasuchus) anfíbios, escamas ganóides (lepisosteiformes), dentes e restos ósseos de peixes, dentes de pequenos terópodes, um pequeno lagarto, além de microfósseis. 


Reconstituição artística de um dinossauro saurópode titanossaurídeo. Arte de Felipe Elias (http://felipe-elias-portfolio.blogspot.com/)


MARILIASUCHUS e ADAMANTINASUCHUS

Entre os fósseis mais importantes relacionados aos crocodilomorfos estão ovos fossilizados e coprólitos do Mariliasuchus amarali.  “Esses ovos fósseis constituem o primeiro registro desse tipo de fóssil no Brasil. Em 2002 encontrei num bloco de arenito uma ninhada composta por 9 ovos fossilizados,  um achado fantástico. Tudo indica que os animais, vivendo em populações perto de lagoas, ali depositavam seus ovos e muitos  eram rapidamente soterrados por grandes cargas de sedimentos, passando assim para o registro fóssil”, destacou o pesquisador. Atualmente, esses ovos estão em estudos no Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, junto com outros fósseis.

Crânio do crocodilomorfo notossúquio Mariliasuchus amarali
Reconstituição de Mariliasuchus em vida. Arte de Maurílio de Oliveira, todos os direitos reservados.

De acordo com estudos já publicados sobre o Mariliasuchus e o Adamantinasuchus, apurou-se que esses animais além de um comportamento gregário e terrestre que lhes permitia caminhar longas distâncias em áreas com clima quente e seco, tinham um hábito alimentar bastante diversificado, podendo incluir em sua dieta desde carne até vegetais. “Isso é um dado bastante incomum para os crocodilos de hoje, que só vivem na água e possuem dieta carnívora. Dessa forma, as duas espécies de crocodilos encontradas em Marília, além de muito raras no registro fóssil, permitem a nós, paleontólogos, inúmeras possibilidades de estudos, devido à boa preservação dos fósseis encontrados nas rochas da Formação Adamantina, que ocorre em todo o oeste do estado de S. Paulo” falou Nava.

Reconstituição esqueletal de Adamantinasuchus navae
Reconstituição Artística de Adamantinasuchus navae. Arte de Deverson da Silva (Pepi).


O MUSEU DE PALEONTOLOGIA

Museu de Paleontologia de Marília

Inaugurado em novembro de 2004 pela Secretaria Municipal da Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Marília, o Museu de Paleontologia é uma significativa contribuição ao conhecimento científico nacional e internacional na área da paleontologia. Está localizado no centro da cidade, e vem se tornando um dos grandes potenciais científicos da região, tendo em vista a raridade do material  encontrado. “Trata-se do segundo museu do interior paulista com exposição permanente de fósseis de animais que viveram no período Cretáceo, entre 70 e 90 milhões de anos atrás. Está aberto a toda a comunidade e também á escolas e universidades. Além das dezenas de escolas da cidade e da região, também já recebemos alunos de graduação e pós-graduação do curso de Geologia da Universidade Federal do Paraná, Universidade Federal do Rio de Janeiro e Universidade de São Paulo” enfatizou o pesquisador. Atualmente alunos da Universidade de São Carlos – UFSCar têm colaborado em trabalhos de campo na região.

Visitantes em campo com William Nava. Foto de Ivan Evangelista Júnior.

O Museu abre novas perspectivas no campo científico e também para o turismo local e regional com o incremento de atividades pedagógicas, visitas técnicas monitorizadas, produção de material impresso e outros recursos que auxiliam na educação e na maior divulgação do espaço, até como forma de gerar e atrair novos recursos e investimentos. Tem como objetivo a busca e pesquisa dos fósseis, sua preservação, divulgação junto à comunidade local e regional, exposição do acervo de ossos principalmente de dinossauros, que são o grande chamariz para o público leigo e crianças, e as reconstituições em vida do Mariliasuchus e do Adamantinasuchus, para dar uma idéia de como eram esses pequenos crocodilos, que viviam entre os grandes titanossauros. “Temos recebido milhares de visitantes tanto daqui e da região, como também de outros estados, fazendo do museu hoje, um forte atrativo cultural e turístico para uma vasta região do interior do estado”, destacou Nava.

Área interna do Museu de Paleontologia de Marília

No museu podem ser vistos diversos ossos de dinossauros (Titanossauros), restos de crocodilos, ovos fossilizados, peixes da Chapada do Araripe (CE), troncos de árvores  fossilizados, restos de tartarugas, banners ilustrativos, fotografias de expedições realizadas nos campos de pesquisa da região e mapa de ocorrências fossilíferas dentro do Grupo Bauru, entre outras atrações.

O museu está situado na Av. Sampaio Vidal, 245, esquina com a Av. Rio Branco, em Maríla, no centro, e fica aberto de segunda à sexta, das 8h30 às 18h00.
O telefone para contato é (14) 3402-6600 -  ramal 6614.
  
PARCERIAS, ESTUDOS e DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Diversos fósseis escavados nas rochas da região encontram-se depositados para estudos em instituições como Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Museu Nacional da UFRJ, UNIRIO, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Museu de Zoologia da USP, UNESP campus de Bauru-SP, Museu de História Natural de Taubaté-SP, e recentemente UnB- Universidade de Brasília,  em parcerias técnico-científicas bastante promissoras.  De acordo com Nava, “atualmente Marília se coloca ao lado das grandes regiões fossilíferas do país, contribuindo com seus fósseis para um melhor entendimento acerca dos ecossistemas e da paleofauna que existiu no Brasil há milhões de anos”. Os fósseis aqui achados já foram citados em periódicos de Paleontologia, como o American Museum Novitates, Gondwana Research, e recentemente o Bulletin of Geosciences, da República Tcheca.

Visite o site www.dinosemmarilia.blogspot.com para saber mais sobre os fósseis de Marília e região.

William e o fóssil de um dinossauro saurópode. Foto de Ivan Evangelista Júnior.

William Roberto Nava

Paleontólogo e Coordenador
do Museu de Paleontologia de Marília

Secretaria Municipal da Cultura e Turismo
Prefeitura Municipal de Marília


______________________________________________________________________

Muito obrigada por colaborar na construção dos colecionadores, William!! Portas sempre abertas para você.
Fica aqui uma homenagem dos colecionadores pelo seu trabalho:


William observa um novo fóssil de um pequeno crocodilo. Foto de Aline Ghilardi.

A Paleontologia Nacional agradece!

O Colecionadores convoca!!!

Aline Ghilardi
Colegas paleontólogos do Brasil a fora (ou fora do Brasil) estão convocados para submeter artigos para o Colecionadores. Para divulgar seus temas de pesquisa, área de estudo, a paleontologia regional, artigos recém-publicados, grupo taxonômico favorito, questões controversas da paleontologia e ciências afins, revisões, curiosidades da área, etc. Aguardamos ansiosamente a participação de vocês. O objetivo desse canal é ser plural e ao mesmo tempo integrar o conhecimento na área. Unir a paleontologia.


A formatação dos textos cabe ao autor ou autores e o conteúdo é de total responsabilidade do(s) mesmo(s). O(s) autore(s) deverão incluir nome, instituição ao qual está(ão) vinculado/a(s), uma breve descrição sobre a relevância do artigo (um parágrafo) e o artigo propriamente dito em formato doc (em arial 12, limite de aproximadamente 2 páginas de texto sem contar as figuras) com as imagens anexadas em formato jpg devidamente indicadas e com referências. Os artigos deverão ser enviados para alinemghilardi1@gmail.com ou alinemghilardi@yahoo.com.br, assim como qualquer dúvida deverá ser direcionada ao mesmo endereço eletrônico. Os colaboradores do blog irão triar os textos e enviar sugestões quando cabíveis.
A colaboração de vocês é fundamental para o fortalecimento da divulgação paleontológica! A ciência já tem o carisma, agora resta trabalhar para conquistar de vez o público para esse universo maravilhoso.

O pessoal do Colecionadores agradece e ficamos no aguardo ansioso pelas colaborações de vocês.

Saudações à todos!

A Equipe

Faxinalipterus minima, o réptil voador mais antigo do mundo é gaúcho, tchê!

Aline Ghilardi
Não podia faltar... demorei pra escrever sobre esse bichinho, mas aqui está, finalmente!

Faxinalipterus minima  foi encontrado na região de Faxinal do Soturno, RS, e veio ajudar a escrever um importante capítulo da história dos répteis voadores. O bichinho gaúcho, teria cerca de 220 milhões de anos (Triássico Superior) e tratar-se-ia da peça mais antiga de toda história dos Pterosauria até então.

O animal foi descrito no compendio "New Aspects of Mesozoic Biodiversity", novo livro da série Lecture Notes in Earth Sciences, publicado pela Springer. O livro reúne uma série de sete artigos relevantes para o discernimento da evolução da vida num dos períodos mais fascinantes da história do planeta Terra, o Mesozóico, e inclui aquele que descreve os restos do que teria sido um pequenino réptil voador muito primitivo e do tamanho de um pardal: "Pterosauria from the Late Triassic of Southern Brazil" é o nome da publicação de José Bonaparte, Cesar Schultz e Marina Bento Soares. Ali se descreve o nosso pequeno Faxinalipterus ...


Fragmentos do fóssil de Faxinalipterus


Porque Faxinalipterus é tão importante?

A maioria dos pterossauros triássicos -  os mais antigos - foi encontrada na Europa em depósitos de idade Noriana (216 - 203 milhões de anos atrás) no norte da Itália. Lá eles são representados por espécimes quase completos que ajudaram a fornecer vislumbres muito importantes sobre história evolutiva desses fascinantes seres alados. 
Entre alguns dos animais ali encontrados podemos citar Eudimorphodon, Pteinosaurus e Preondactylus. Nesses três animais, apesar de bem antigos, foram observadas algumas características anatômicas consideradas já bastante derivadas e típicas do vôo ativo, como por exemplo modificações na cintura peitoral semelhantes às dos pterossauros do período Jurássico. Foi a partir principalmente dessa observação (entre outras) que os cientistas concluíram que a principal diferenciação desses répteis de seus ancestrais essencialmente terrestres teria se dado em algum momento anterior dentro do Triássico ou mesmo bem antes, durante o final do período Permiano.
Sendo assim, parte da história evolutiva dos pterossauros, na verdade a parcela mais significativa, permanecia obscura.

Fóssil de Eudimorphodon, Triássico Superior do Norte italiano
Reconstituição de Preondactylus por Mark Witton.
Pteinosaurus, ilustração de N. Tamura.
Filogenia dos Pterosauria mostrando a possível origem e diversificação das primeiras linhagens. Os nós 1 e 2 representam Ramphorhynchidae e Pterodactyloidea, respectivamente, as duas principais linhagens do grupo.

Sob esse prisma, o que torna Faxinalipterus tão interessante é que apesar de também pertencer ao Triássico tardio, ele apresenta características interpretadas como primitivas pelos autores. Isso indicaria que pterossauros primitivos e derivados teriam vivido praticamente ao mesmo tempo, porém de em diferentes cenários geográficos, e que a evolução inicial do grupo talvez tenha se dado mais rapidamente que o esperado.
O grande furor no entorno da descoberta desse bichinho também está relacionado com o fato dele ser o primeiro registro do grupo no Triássico da América do Sul. Isso modifica algumas questões biogeográficas e levanta algumas dúvidas interessantes quanto à outro aspecto... Faxinalipterus foi encontrado em rochas que refletem um ambiente continental, diferente daquele dos pterossauros europeus, tipicamente litorâneo. Isso poderia evidenciar que a evolução dos pterossauros teria ocorrido em ambientes continentais ou mediterrâneos, e a colonização de ambientes litorais marinhos teria sido um passo posterior.

O fóssil, sua história e um pouco mais ...

O artigo de Bonaparte e colaboradores analisa restos fósseis bastante incompletos. O material é escasso e permitiu somente poucas conclusões com relação a história evolutiva dos Pterosauria.
Os fragmentos ósseos atribuídos ao grupo foram descobertos durante uma campanha entre 2002 e 2005 numa velha pedreira próxima à cidade de Faxinal do Soturno, RS. O material estava concentrado em um único pequeno bloco de arenito da Formação Caturrita e foi considerado como pertencente à um mesmo indivíduo por causa de seu tamanho e sua estrutura. 
Foi atribuído como pertencente à Pterosauria por apresentar feições ocas, pequena proporção e a presença de outras determinadas características ósseas reconhecidas somente em pterossauros e aves.  Peculiaridades de alguns  elementos esqueletais como o úmero e o coracóide é que permitiram classificar o material como definitivamente de um pterossauro primitivo.


O fragmento da maxila esquerda com 3 dentes ainda inseridos.

Os materiais consistem: da cabeça de um úmero, da ulna e rádio esquerdos, de um coracóide praticamente completo, da tíbia e fíbula esquerdas, de partes da tíbia e fíbula direitas, do fêmur esquerdo, de um provável elemento metatarsal e de um fragmento da maxila esquerda com três dentes.

A análise especialmente do coracóide, da porção proximal do úmero e de caracteres da fíbula é que permitiu aos autores inferir a condição primitiva de Faxinalipterus. Ele seria o pterossauro mais primitivo conhecido.

Faxinalipterus pode ser considerado também mais antigo que os pterossauros da Itália. A idade das rochas em Faxinal do Soturno representaria a transição Carniano-Noriano (de acordo com a geocronologia européia) e não o final do estágio Noriano como as rochas do norte italiano. Ele teria convivido com animais como o procolofonídeo Soturnia calodon, o dicinodonte Jachaleria candelariensis, o tritelodontídeo Riograndia guaibensis e o Saurischia basal Guaibasaurus candelarienis.

Os pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Fundación de Historia Natural Félix de Azara, da Argentina, escolheram o nome do pequeno pterossauro em homenagem a cidade de Faxinal do Soturno e 'minima' em referência ao tamanho diminuto do animal, não muito maior que um camundongo.

Continuando os estudos...

O artigo de Faxinalipterus saiu somente esse ano, apesar do fóssil ter sido encontrado há 5 anos atrás. Os estudos todavia continuam, os pequenos ossos encontram-se já há cerca de um ano sob análise do Professor Alexandre Kellner no Museu Nacional, no Rio de Janeiro.
Kellner parece ter alguma cautela e afirma tratar-se de uma questão em aberto. Ele tem dúvidas quanto a classificação e acredita que Faxinalipterus possa tratar-se de um animal na base da linhagem dos pterossauros e não um pterossauro verdadeiro.
Se comprovada a possibilidade, a teoria de que os pterossauros se originaram no hemisfério norte cairia por terra.

Vamos continuar acompanhando!



Nota sobre a referência

Bonaparte, J.F.; Schultz, C.L. & Soares, M.B. 2010 - Pterosauria from the Late Triassic of Southern Brazil. Lecture Notes in Earth Sciences 132:63-71.



"New Aspects on Mesozoic Biodiversity", apesar de envolver aspectos primariamente dentro paleontologia de vertebrados - paleobiologia, paleoecologia e paleobiogeografia de alguns tetrapoda, especificamente - , ele é de interesse para qualquer pesquisador que lide com biologia evolutiva e biodiversidade. Infelizmente o acesso é pago.

Querida, encolhi as crianças!

Maiana Avalone
Por Maiana Kreff

Quem já não assistiu o clássico “Querida, encolhi as crianças”? Para àqueles que ainda não viram, a aventura trata de um cientista que inventa uma máquina de "miniaturizar" objetos e acaba encolhendo seus filhos. Pequeninos e perdidos no jardim de casa, eles se deparam com abelhas, borboletas e formigas gigantes, que, dada a situação, parecem bichos aterrorizantes. Pois bem, se pudéssemos voltar no tempo alguns milhares ou milhões de anos, poderíamos vivenciar de fato esse cenário fictício, no entanto, sem precisar da famosa máquina encolhedora do cientista maluco...

Pesquisadores encontraram recentemente uma ossada do que teria sido o maior rato já encontrado até hoje. Sim, um rato enorme. O animal, que se encaixa no gênero Coryphomys, e tem aproximadamente 1,5 mil anos, habitava as regiões do Timor Leste, na Ásia. O mais interessante - não se assustem – é que o tal bicho podia chegar a 6 kg, sendo que hoje, os maiores ratos possuem no máximo 2 kg e são encontrados nas florestas da Nova Guiné e Filipinas.
Segundo estudos, a ilha do Timor Leste vem sendo habitada pelo ser humano há pelo menos 40 mil anos. Com a chegada do homem e o começo da agricultura na região, há aproximadamente 2 mil anos, é que teria se iniciado o processo de extinção do animal. Este teria se dado não só por alteração de seu habitat, mas provavelmente porque o rato gigante também era largamente utilizado na alimentação dos nativos.
Embora muitos não simpatizem com roedores, especialmente os ratos, esses animais são de incontestável importância para o ecossistema, sendo importantes dispersores de sementes e elementos fundamentais na manutenção de propriedades do solo.


Ossada do maior rato do Mundo (à esquerda) em comparação com o crânio de um tipo de rato atual.

Não só o curioso e bizarro Coryphomys, mas outros animais que hoje não passam de alguns centímetros um dia tiveram seus dias de glória sobre a Terra:

O estranho invertebrado artrópode Jaekelopterus rhenaniae, por exemplo, tratava-se de um tipo escorpião marinho - um euriptérido - que media cerca de 2,5 metros de comprimento e viveu há 390 milhões de anos. O tamanho de Jaekelopterus foi inferido a partir de sua garra de 46 cm encontrada na Alemanha. Para se ter uma idéia, os maiores escorpiões atuais chegam à cerca de 30 cm, mas em geral são muito menores do que isso. Os cientistas ainda acreditam que este europtérido tenha dado origem aos atuais escorpiões e aracnídeos. - Tenho que dizer que esse sutil e “simpático” animal me causa calafrios.


Imagem comparativa do tamanho de
Jaekelopterus rhenaniae e um homem

Outro fascinantes seres gigantes também já foram descobertos: aranhas, centopéias, libélulas e baratas de tamanhos descomunais; preguiças, cobras, crocodilos e aves tão grandes que inspirariam filmes de terror; porém muitos ainda estão a espera de serem desvendados. A ciência tem muito o que vasculhar e é incrível a possibilidade de reconstituir parte do fantástico cenário de vida de épocas e eras passadas. Reviver paleopesadelos!

Agora a pergunta que não quer calar: Por que esses animais atingiram esse grande porte? Bom, há muitas hipóteses. Para explicar o gigantismo dos artrópodes terrestres, por exemplo, há cientistas que afirmam que na época em que esses animais viveram, a atmosfera era abundante em oxigênio, o que teria favorecido parcialmente essa adaptação corporal. Já outros, acreditam que esse grande crescimento teria se dado pela falta de predadores como os vertebrados nos ambientes terrestres recém-colonizados. Para os vertebrados, no entanto, o gigantismo tem outras explicações, pode se dar por questões intrincadas de fisiologia, relação predador/presa e ainda há a interessante "regra de Cope". Esse é um assunto que gera um intenso debate e que em outras oportunidades iremos dar continuidade aqui no Colecionadores.



Olá Pakasuchus!

Aline Ghilardi
Novo (e mais um bizarro) crocodilomorfo fóssil encontrado. Dessa vez na Tanzânia.

Não, dessa vez esse não é brasileiro, mas é um primo próximo dos bichinhos daqui. Pakasuchus foi encontrado na África, especificamente no sul Tanzânia, lado leste da costa africana. Trata-se de um pequeno crocodilomorfo de idade cretácica (105 milhões de anos), do tamanho de um gato doméstico e, como bom notosuquídeo que é, terrestre e portador de algumas características bem bizarras. Como vocês verão, esse animal possuía dentes muito similares ao de mamíferos e, ao que tudo indica, alguma capacidade de mastigar....


Ilustração de Zina Deretsky, US National Science Foundation

Para recapitularem o que é um crocodilomorfo notosuquídeo, revisitem o post de Morrinhosuchus (aqui).

Os fósseis de Pakasuchus foram encontrados na Bacia de Rukwa Rift, na Tanzânia. O responsável pela descoberta é o Prof. Patrik O'Connor, da Universidade de Ohio, EUA, que juntamente com um time internacional de outros cientistas, descreveu o pequeno crocodilo. O estudo foi financiado pela U.S National Science Foundation e a National Geographic Society, e publicado esse mês na revista Nature.  

O primeiro espécime de Pakasuchus foi coletado em 2008, em rochas do Cretáceo Médio (105 milhões de anos), e tratava-se de um exemplar completo. Foram encontrados posteriormente, no entanto, materiais equivalente à outros 7 indivíduos, que apesar de fragmentados,  ajudaram a complementar o estudo. Levou um tempo até que todos os espécimes fossem analisados, mas não para que o pequeno crocodilo se mostrasse uma descoberta interessante.

O mais impressionante nesse animal não é o formato de seu corpo, mas o de seus dentes:

"Se você somente pudesse observar os dentes desse animal, não pensaria que se trata de um crocodilo. Você se perguntaria que tipo estranho de mamífero ou 'réptil-mamaliforme' possuía aquilo", afirmou Patrik, que admite que se surpreendeu com o novo animal.

A nova espécie de crocodilomorfo era grácil, sem a pesada armadura dérmica dos crocodilos atuais - com exceção de duas fileiras de placas na cauda. O animal possuía os membros alongados e uma cabeça relativamente pequena com narinas frontais. Todos os aspectos da sua anatomia sugerem fortemente hábitos terrestres e bastante móveis (cursoriais).

O pequeno crânio cabe na palma de uma mão e o animal não deveria ser maior do que um gato doméstico. As características de sua dentição logo se destacam: Há redução dentária - como em todos os notossuquídeos -  e uma acentuada heterodontia (diferenciação dentária). Grandes caniniformes frontais são seguidos por alguns pequenos dentes cônicos e então substituídos ao longo da fileira por conspícuos dentes molariformes.

A dentição de Pakasuchus: Formas molariformes destacadas e a mandíbula que poderia se movimentar para frente e para trás. (Ilustração: Zina Deretsky).

Vista esquerda do crânio de Pakasuchus

Os dentes molariformes desse notossúquio possuem pequenas cúspides para o processamento de alimento, semelhante àquelas dos dentes de alguns mamíferos carnívoros. Certamente esse animal processava seu alimento de uma maneira bem peculiar. Trata-se de mais um exemplo de que os crocodilomorfos possuíram linhagens incrivelmente variadas: muitas formas, tamanhos e estilos de vida distintos.

Pakasuchus viveu num período em que as massas de terra do Gondwana ainda estavam ligadas, portanto será possível reconstituir a história biogeográfica que o relacionava com os notossúquios sulamericanos. Frente aos bichinhos da América do Sul, Pakasuchus não é nenhuma novidade surpreendente... apenas mais um fragmento da história das bizarrices crocodilianas.

Nos continentes do Hemisfério Norte, pequenos mamíferos estavam em ascensão. Essas criaturinhas exploravam todos os tipos de oportunidades ecológicas periféricas enquanto os dinossauros dominavam os ecossistemas terrestres. Porém, no Hemisfério Sul, essa história parece ter sido um pouco diferente. O que os registros fósseis indicam é que os pequenos mamíferos eram relativamente raros e esses estranhos crocodilos, os notossúquios, é que deveriam preencher os nichos disponíveis com adaptações bastante similares aos seus equivalentes mamíferos do Hemisfério Norte.

Patrik nomeou Pakasuchus em referência ao vocábulo para 'gato' em  Kiswahili (uma língua Bantu) e adicionou o sufixo 'suchus' de 'crocodilo'. O nome completo do bichinho é Pakasuchus kapilimai.

Foram utilizadas técnicas de CAT Scan para o estudo detalhado da dentição do animal. Pakasuchus possuía apenas 13 dentes de cada lado da boca e uma mandíbula relativamente móvel, o que sugere uma certa capacidade de mastigação.


Os estudos filogenéticos de Pakasuchus indicam que ele seria um parente muito próximo de Adamantinasuchus navae um pequeno notossúquio brasileiro descrito em 2006. Adamantinasuchus viveu há 90 milhões de anos no que é hoje a região de Marília, SP, tinha a mesma forma grácil, não passava de 50 cm de comprimento e também apresentava heterodontia.



A heterodontia, portanto, não é nenhuma novidade surpreendente nesse grupo. Diversos outros notossúquios apresentam configuração dentárias bastante exóticas indicando dietas ímpares. Desde carnivoria estrita, passando por onivoria, até possivelmente a herbivoria.


Pakasuchus também é proximamente relacionado à Mariliasuchus e Candidodon, outros dois crocodilinhos terrestres brasileiros. Candidodon no início fora confundido com um mamífero (o nome inclusive faz alusão), justamente pela sua configuração dentária peculiar, só posteriormente quando encontraram melhores evidências do animal é que ele foi reclassificado corretamente como um crocodilomorfo.


Mariliasuchus amarali 
Dente de Candidodon itapecuruense - Fonte: Carvalho, I.S. 1994. Candidodon: Um crocodilo com heterodontia (Notosuchia, Cretáceo Inferior, Brasil). Anais da Ac. Bras. de Ciências, 66(3): 331-346. (aqui)

Pakasuchus de fato é um novo bichinho muito interessante, mas atenção: sem alarme ou estardalhaço demais. A heterodontia e a relativa flexibilidade mandibular já eram bem conhecidas entre os crocodilomorfos. Os nossos bichinhos brasileiros estão beeeem a frente nisso. O que Pakasuchus leva ao extremo - o que o torna tão especial -  é a condição molariforme altamente modificada que ele alcançou, com cúspides acessórias incrivelmente semelhantes aos mamíferos carnívoros atuais.

Para mais informações: 
Veja o vídeo da reconstituição crânio/dentes aqui.
A matéria site da National Geographic Society aqui  - e a do site da Nature aqui

O'Connor, P. et al 2010. The evolution of mammal-like crocodyliforms in the Cretaceous Period of Gondwana. Nature, 466: 748-751  | doi:10.1038/nature09061;